Quem sou eu

Minha foto
O Tatamirô Grupo de Poesia é um grupo amapaense de declamação de textos poéticos, sejam eles escritos na forma de prosa ou verso em suas múltiplas manifestações verbovocovisuais. Criado em Abril de 2009, o Grupo nasceu do desejo de dizer Poesia às pessoas. De colocar a voz a serviço da Poesia. De falar as coisas do mundo de forma diferente.

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Movimento de Poesia na Boca da Noite e Tatamirô: conspirando Poesia!



Em 18.08.2011, chegou a vez da poesia no SESC Amazônia das Artes e é claro que nós estávamos lá!

Os anfitriões daquela noite foram os recitadores do Movimento Poesia na Boca da Noite. Iniciativa dos escritores Alcinéa Cavalcante, Rostan Martins, Glória Araújo e Osvaldo Simões, o grupo agrega declamadores e poetas das mais diferentes idades e estilos.


 
A escritora Alcinéa Cavalcante era quem conduzia a cena declamando os poemas de sua autoria e os de autoria de seu pai, o poeta Alcy Araújo.


Fomos incitados a dividir o palco, convite que apreciamos.

Na ocasião, conhecemos alguns poemas de Glorinha, que depois nos enviou outros para - como ela mesmo disse: “ficarem à nossa disposição”.


O DENTINHO

Sabe aquele dentinho
Molinho que tava
Na minha boquinha.

Eu engoli, comendo banana com farinha.

Agora eu sei, porque a vozinha
Não tem dentinhos,
Ela os engoliu,
Todinhos!

Glória Araújo


Dispostos foi como ficamos com um encontro desses, ainda mais depois de assistirmos à declamação de Zequinha Corrêa e Lorenna Braga, esta prodigiosa menina, juntamente com sua equipe, harmonizou o espaço do SESC-Centro, tornando-o aconchegante para nós e propício à Poesia.




Destacamos a recitação do Professor Romualdo Palhano, que muito nos divertiu.

Realmente, foi um encontro colaborativo. Por isso e por muito mais, terminamos de mãos dadas, numa ciranda.


A ciranda rodava...
                         Mario Quintana

A ciranda rodava no meio do mundo,
No meio do mundo a ciranda rodava.
E quando a ciranda parava um segundo,
Um grilo, sozinho no mundo, cantava...

Dali a três quadras o mundo acabava.
Dali a três quadras, num valo profundo...
Bem junto com a rua o mundo acabava.
Rodava a cirando no meio do mundo...

                  (...)


 

Um comentário:

  1. É tao bom uma noite de poesia com amigos e com muita gente que curte muito a boa poesia. mas legal ainda é eu (lindo e maravilhoso, rsrsrs)aparecer recitando poemas no blog do tatamiro (é só pra quem pode. bjos, abraços e muito sucesso a todos os companheiros do tatamiro.

    ResponderExcluir