Quem sou eu

Minha foto
O Tatamirô Grupo de Poesia é um grupo amapaense de declamação de textos poéticos, sejam eles escritos na forma de prosa ou verso em suas múltiplas manifestações verbovocovisuais. Criado em Abril de 2009, o Grupo nasceu do desejo de dizer Poesia às pessoas. De colocar a voz a serviço da Poesia. De falar as coisas do mundo de forma diferente.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Despaupério de Torquália

O vídeo do Ronix marcou com beleza a interação do grupo que se prepara para o XIX Congresso Brasileiro de Poesia, em Bento Gonçalves-RS. É bom nos ver pelos olhos e também, nesse caso, pelas lentes de outra pessoa.



Nascido da leitura do poema Cogito de Torquato Neto, O poema Um Despaupério de Torquália de Herbert Emanuel fala dessa vidência dos sensíveis.



UM DESPAUPÉRIO DE TORQUÁLIA
                                
nada de mais
se o muro é pintado de verde
não sei se ainda quero ver-te
neste país do carnaval

lírico demais
se os planos são enganos
pra mim tanto faz
as perdas e os danos

“eu sou como sou: vidente
e vivo tranqüilamente
todas as horas do fim”

nada de mais
se o poeta é um anjo torto
a tarde já nos traz
o corpo de um outro morto

agora não se fala mais
toda palavra é uma cilada
o início pode ser o fim
do começo que não deu em nada

“eu sou como sou: vidente
e vivo tranqüilamente
todas as horas do fim”

nada de mais
se quiserem roer o osso
já não estou nem aí
com geléia até o pescoço

nada de mais
se a palavra  é precipício
o que fica tanto faz
a poesia já não corre risco


Herbert Emanuel

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Máquinas Desejantes


  POEMA BIOMÁTICO – DEVIRES MAQUÍNICOS
(a partir do livro “Anti-Édipo” de Felix Guattari e Gilles Deleuze)



 


Debaixo da pele o corpo é uma fábrica a ferver,
e por fora,
o doente brilha,
reluz,
com todos os poros,
estilhaçados.
                                    Artaud



                      eu e mim, eu e minhas caixas de ritmos
                                                
 em toda parte
                               isto funciona perfeitamente bem:

                                                          isto come
                                                          isto mija
                                                          isto bebe
                                                          isto peida
                                                          isto chora
                                                
                                 em toda parte
                                 isto funciona perfeitamente bem
-          algumas vezes sim, algumas vezes não
em toda parte
são máquinas, de modo algum metaforicamente,
de modo algum metafisicamente,
com seus acoplamentos, suas conexões...seus fluxos,

fluxos e cortes
fluxos e cortes
fluxos e cortes
                                  
                                                                                          em toda parte
                                                                                          isto funciona perfeitamente bem:

             isto come
             isto bebe
             isto caga
             isto chora
             isto peida
             isto ri
             isto sonha

                                                    em toda parte
                                                    isto funciona perfeitamente bem:

                                                                                                                             isto come
                                                                                                                             isto mija
                                                                                                                             isto bebe
                                                                                                                             isto peida
                                                                                                                             isto chora
                                                                                                                             isto caga
                                                                                                                             isto fode
                                                                                                                             isto quer replicar
                                                          - é confiável?
                                    
    eu, eu e mim
                                                   eu e minhas caixas de ritmos:
                                                   todos os tons, todos os sons, todos os sóis,
                                                   todos os...
                                       
                                 em toda parte
                                 isto funciona perfeitamente bem

                                                    isto come
                                                    isto mija
                                                    isto bebe
                                                    isto peida
                                                    isto chora
                                                    isto caga
                                                    isto fode

                                                                                           isto tem os raios do sol no cu!
                                          
                                 em toda parte
                                 isto funciona perfeitamente bem:
                                
                            
                                 isto
                                 isto
                                 isto

                                                   ... eu e mim. eu e minhas máquinas.
                                                   além delas, o que há?
                                                   eu e mim. eu e minhas máquinas.
                                                   para além delas, o que há?
                                                
                                                   há quem diga que à coisa em si se liga.
                                                   eu me desligo. tu te desligas.
                                                   além das máquinas, o que há?


                                                                                                    Herbert Emanuel

terça-feira, 20 de setembro de 2011

POR UMA ÉTICA PLANETÁRIA


(...) O grande desafio que nos colocamos, hoje, enquanto seres humanos preocupados com a defesa da natureza e a busca de uma nova forma de solidariedade é o seguinte: ou criamos processos de subjetivação que possibilitem a abertura para outro, não mais visto como ameaça, como um elemento desestabilizador, mas enriquecedor de nossas vidas humanas e planetárias (e aqui não importa tanto saber se são palestinas, brasileiras, israelenses, americanas), capaz de engendrar um novo tipo de solidariedade (para além dos direitos humanos), uma solidariedade planetária, entre todos os seres vivos, repensando criticamente o papel e a importância dos seres humanos nesse processo; ou então tudo ficará na mesma: o mesmo e velho ovo-ódio do outro chocado milhões de vezes, por séculos e séculos. Até porque, como diz a psicanalista Suely Rolnik, “(...) Não há defesa eficaz da vida sem esta mudança em nosso modo de subjetivação, sem esta ruptura com a modernidade, no âmago mesmo de nossa alma, sem esta abertura para o estranho-em-nós, que é mais do que o simples respeito democrático pelo outro em seus direitos e deveres, pois é um desejo de se deixar afetar pelo outro, é um amor pela alteridade, pelo devir e a incerteza criadora.” (ROLNIK, 2005, p. 28).

Herbert Emanuel




sexta-feira, 16 de setembro de 2011

RES



Por Ricardo Silva
Os temas da poesia amazônica têm ficado cada vez mais repetitivos; os poetas não prezam mais pela criatividade vocabular, não criam mais inovações, e prenderam-se num “regionalismo local” -  não me julguem redundante – que é aquele regionalismo que só entende quem vive naquela terra e não possui conotação universal. Talvez possa parecer que estou sendo injusto, mas os leitores da poesia nortista, por exemplo, concordarão comigo, mesmo que a contragosto. As imagens quase sempre são as mesmas, e em alguns poetas até os termos se repetem, demonstrando como os poetas dessa parte do Brasil tem ficado presos a uma tradição poética que é-me obsoleta. Contudo um poeta tem se mostrado alheio a isso, produzindo uma poesia nortista-amazônica sem estar preso a modelos regionalistas rasos e limitadores. Esse poeta é Herbert Emanuel.
Herbert Emanuel é um estranho no ninho poético de sua cidade. Ele está isolado de seus colegas de ofício, mas não um isolamento arrogante de quem não quer se misturar por achar-se superior, sim um isolamento involuntário de quem escreve de forma plenamente diferenciada de seus pares. Herbert está situado dentro de um anacronismo poético. Ele não escreve como um poeta preso, não escreve dentro de um modelo castrador. Em parte por isso, seus livros causam certo estranhamento dentro dos círculos mais tradicionais da poesia amazônica. Mas o poeta não se conforma, não para de escrever. Desde seu primeiro livro, Nada ou Quase Uma Arte, Emanuel tem se mostrado um fazedor de poesias que busca temas universais, que amplia suas discussões poético-filosóficas a níveis que ultrapassem as fronteira do regionalismo pueril. Característica essa que mostrou-se de forma mais nítida no seu último livro: Res.
Seguindo seu projeto poético-linguístico, o livro Res tem como tema o real, mas não o real idealizado, no sentido platônico de um mundo ideal, mas esse real aqui, presente, palpável, humano, demasiadamente humano; esse real “com sua alegria/ sua beleza/ e seu áspero desespero” (p. 14). Neste pequeno livro com 12 poemas, todo o esforço, toda a transpiração na composição é exposta em cada linha onde as palavras se alinham em simetria rigorosa. Edição bilíngue, com todos os poemas traduzidos para o espanhol, Res tem uma sonoridade doce, uma tranquilidade suave, o que fica mais ressaltado com o trabalho gráfico feito no livro com fotos em preto-e-branco. Os poemas têm vida própria, funcionam muito bem isoladamente, mas no seu conjunto têm também fio um condutor que os liga de forma que eles pareçam apenas um grande poema. As poesias que compõe o Res são carregadas de conotações linguísticas, onde a escolha das palavras estão sob a tutela de uma meticulosidade grandiosa. As palavras, ou mesmo o real, crescem nos poemas de Herbert Emanuel, ficam maiores, a sensibilidade do leitor fica mais aflorada; o leitor sente o impacto de cada verso, sente as pancadas do real em versos como: “o real/ com sua fome de fezes/ sua sede de ônix/ seu deus desdentado/ e sem palavra”.
O livro Res só confirma o quanto a poesia de Herbert Emanuel está longe, avançada, em relação a seus contemporâneos regionalistas, que pararam no tempo e nos temas. A poesia herbertiana deve ser mastigada, remoída, e ruminada, num constante exercício de vomitar e deglutir tudo novamente e, em cada nova digestão, extrair novos significados, perceber novas tonalidades, e se deleitar no prazeroso gosto da boa poesia.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Tatamirô recebe convite para eventos no Rio Grande do Sul



 



XIX CONGRESSO BRASILEIRO DE POESIA HOMENAGEIA O POETA
AFFONSO ROMANO DE SANT’ANNA

           
Como já é tradição em todo o início de outubro, mais uma vez a cidade gaúcha de Bento Gonçalves, a Capital Brasileira da Uva e do Vinho, abrirá suas portas para a caravana de poetas que irão participar – entre os dias 03 e 08 daquele mês – da décima-nona edição do Congresso Brasileiro de Poesia, um dos maiores encontros de poetas das três Américas.
Tendo como tema “A Poesia Vivida”, em homenagem ao poeta mineiro Affonso Romano de Sant’Anna, aproximadamente cem poetas dos mais diversos estados brasileiros e de alguns países latino-americanos já confirmaram presença, e irão protagonizar uma programação diversificada, composta por muitos recitais, performances, rodas de poesia, espetáculo teatral, palestras nas escolas e debates sobre as diversas formas do fazer poético.
A abertura do evento acontece no Salão Nobre da Prefeitura Municipal às 17 horas do dia 03 de outubro, com recital do poeta homenageado e performance do grupo carioca “Simplesmente Poesia”, que contará um pouco da vida de Affonso Romano de Sant’Anna.
À noite, no anfiteatro Ivo Da Rold, na Fundação Casa das Artes, o escritor Rodney Caetano (Curitiba) apresentará a palestra “A descida de Sant’Anna aos infernos da modernidade”, tendo como mediador o poeta carioca Eduardo Tornaghi. A seguir, será a vez do homenageado, que abordará o tema do Congresso, “A Poesia Vivida”, tendo como mediadores os mineiros Ronaldo Werneck e Márcio Borges. O Grupo carioca “Poesia Simplesmente” encerrará os trabalhos da primeira noite, apresentando o espetáculo “Affonso Romano, retrato de um poeta”.
A partir da manhã de terça-feira, dia 04, até a sexta-feira à noite, os poetas desenvolverão intensa atividade nas escolas do município e no espaço cultural da Fundação Casa das Artes, além de apresentarem recitais em entidades como o Lar do Ancião, Centro de Atendimento Psico-Social, Biblioteca Pública Castro Alves, Presídio Municipal e Hospital Tachini.
Entre os vários poetas que se apresentarão em recitais, destacam-se: Tanussi Cardoso, Brenda Mars, Mano Mello, Jiddu Saldanha, Eduardo Tornaghi, Renato Gusmão, Rui do Carmo, Edmilson Martins, Dalmo Saraiva, Glauter Barros, Telma da Costa, Cláudia Gonçalves, May Pasquetti, Rodrigo Mebs, Ricardo Reis, Flávio Pitinici, Silvio Ribeiro de Casto, Laura Esteves, Jorge Ventura, Angela Carrocino, Eugênia Loretti, Artur Gomes e o Grupo Tatamirô.
Na noite do dia 07, o escritor e letrista Márcio Borges, parceiro de Milton Nascimento, falará sobre a trajetória e a importância do Clube da Esquina na historia da música popular brasileira, tendo como debatedores Affonso Romano de Sant’Anna e Ronaldo Werneck. Já o poeta Colmar Duarte, o criador da Califórnia da Canção Nativa, falará sobre a poesia gaúcha, tendo como debatedor Omair Trindade.
No decorrer da semana, estão previstas sessões de autógrafos dos seguintes escritores: Affonso Romano de Sant’Anna (“Ler o Mundo” e “Sísifo desce a montanha”) e Marina Colasanti (“Passageira em Trânsito”), na Livraria Paparazzi; Airton Ortiz (“Havana”) e Ronaldo Werneck (“Há Controvérsias 2”), na Livraria do Maneco; Márcio Borges (“Os Sonhos Não Envelhecem” e “O Canto do Pássaro-preto” – Poemas e Letras de Paul McCartney”) na Livraria Aquarela. Também serão lançados os volumes 13 e 14 da “Antologia Poesia do Brasil” e o volume 8 de “Poeta, Mostra a tua Cara”, publicações oficiais do evento.

Prioridade para as escolas 

            Trinta e duas escolas do município participarão do evento deste ano, recebendo os poetas em suas dependências, e doze delas deslocarão alunos para participar de atividades que acontecerão nas dependências do Auditório da Escola General Bento Gonçalves da Silva e na Fundação Casa das Artes.
Entre os principais projetos que tradicionalmente compõem a programação oficial do evento, destacam-se: “Poesia na vidraça” (que começa a ser executado no dia 27 de setembro, e consiste na utilização das vitrines das lojas do centro da cidade para exposição de poemas de autores brasileiros); “Poesia numa hora dessas?” (quando poetas apresentam recitais em repartições públicas e privadas); “Uma idéia tece a outra” (realizado na Biblioteca Municipal e que consiste no “empréstimo” de um poeta a uma turma de alunos), além das tradicionais rodas de poesia na Via del Vino.
Promovido pela Prefeitura Municipal de Bento Gonçalves, através da Secretaria Municipal de Cultura, o Congresso é realizado pelo Proyecto Cultural Sur/Brasil, com apoio da Câmara Municipal de Vereadores e Sindilojas.

Agradecemos a divulgação.

Ademir Antonio Bacca
Coordenador Geral do Evento

Maiores informações:
Fone: 54-8123-0034

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Um Paraíso de Livros

 O leitor Victor Hugo que descobriu "Macapá, a capital do meio do  mundo"

O poeta argentino Jorge Luis Borges imaginava o paraíso como uma grande biblioteca, tamanha a sua paixão pelos livros. Uma Feira de Livros também tem seus encantos paradisíacos - claro, para aqueles que amam os livros e se deliciam em perambular pelos vários stands, mesmo quando o dinheiro é pouco, pegando, folheando-os e até mesmo cheirando-os, como fiz com alguns.

 Erivan, editor da Cortez, e os Tatapiuns:Adriana, Herbert e Paulo


Eu, Míriam Cortez e Adriana Abreu

Nossa participação – minha e do Tatamirô Grupo de Poesia - na XV Feira Pan-Amazônica do Livro foi intensa e gratificante: ganhamos, trocamos e compramos livros, revimos amigos e fizemos outros, participamos de oficinas e palestras, além de uma participação especial do Tatamirô no evento sobre a homenageada da Feira, a poeta Dulcinéa Paraense.

 Poetas: Lilia Chaves e Dulcinéa Paraense


Adriana Abreu, Marton Maués e eu, na homenagem à poeta Dulcinéa

Vale ressaltar, entre tantos bons encontros, alguns que me foram valiosos:
  • O encontro com a poeta Dulcinéa Paraense, uma bela senhora de 93 anos! Com a poeta Alice Ruiz e sua filha também poeta Estrela Leminski. 


  • Assistir ao show do músico paraense Arthur Nogueira, com a participação do poeta e filósofo Antônio Cícero, parceiro de Nogueira em muitas músicas. 
 
  • Conhecer o poeta e editor Tenório Teles, de Manaus, cuja editora Valer se destaca pela qualidade de seus livros e o cuidadoso acabamento que dá aos mesmos. Trocamos livros e assumi o compromisso de divulgar o trabalho de sua editora em nosso Estado.

  • Rever o amigo Marton Maués e sua trupe “Os palhaços trovadores”, com dois espetáculos belíssimos, que me emocionaram demais. 
Marton apresentando a biblioteca da Casa dos Palhaços que está sendo montada

 Nosso parceiro de excursão pela cultura de Belém: Gabriel,na Casa dos Palhaços Trovadores


  • Rever também o amigo poeta Juraci Siqueira, um dos grandes trovadores do Brasil. E o melhor: compartilhar tudo isso com os parceiros tatapiuns Adriana Abreu, – a amada, juntamente com Andaraluna Abreu  – e Paulo Rocha foi inestimavelmente prazeroso.

Não poderia deixar de citar o poeta-filósofo Nietzsche, que diz que só a arte torna a vida possível, enriquecendo, eu diria, ainda mais os belos e bons encontros.

sábado, 10 de setembro de 2011

Dulcinéa Paraense: a flor revelada



"DULCINÉA PARAENSE . O que significa encontrar, em revistas antigas da década de 1930, poemas nunca publicados em livro, versos cujas imagens têm a força que se espera do mais puro lirismo? É descobrir uma nova estrela... É ver o desabrochar de uma flor desconhecida. Dulcinéa Paraense é muito mais do que um sonho. Ela existe e voltará à sua Belém, porque é a homenageada na XV Feira Pan-Amazônica do Livro."
Lilia Chaves

 
"Dulcinéa Paraense é a escritora homenageada da XV Feira Pan-Amazônica do Livro. Nascida em Belém, em 2 de janeiro de 1918, ela estudou na escola de aplicação Professora Serra Freire (anexa à Escola Normal) e cursou Direito na época em que Francisco Paulo Mendes (1910-1999) – que se tornaria uma espécie de mentor da juventude intelectualizada da capital paraense – ainda era secretário da Faculdade. Dulcinéa ensinou por algum tempo no Colégio Progresso Paraense. Como jornalista, trabalhou na redação de O Estado do Pará e em Terra Imatura, e tinha uma coluna, como crítica de arte, na Folha do Norte. Poemas seus também foram publicados em outras revistas que circulavam na cidade: Guajarina (de Francisco Lopes), A Semana (de Ernestino Sousa Filho), Pará Ilustrado (de Edgar Proença), Brasileis (de Sílvio Meira), todas mensais, com exceção de A Semana. O décimo terceiro número da Terra Imatura (ano 3, dezembro de 1940) estampa uma lista de poetas, com o título de "Poetas modernos da Amazônia", entre os quais estão Dulcinéa Paraense. No fim dos anos 1930, em Belém, Dulcinéa Lobato Paraense era conhecida como poeta, declamadora e cantora lírica (ela mesma acompanhava-se ao piano). Conta, com certo orgulho, que estudou canto com Marcelle Guamá (1892-1978). Teve uma juventude cercada de poetas e escritores, no meio do movimento intelectual da Belém daquela época. Em 1940, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde fixou residência. Trabalhou no Instituto do Açúcar e do Álcool e, mais tarde, foi Procuradora na Superintendência de Serviço de Previdência Social (SUSERPS), por onde se aposentou. Tendo publicado poemas nas revistas paraenses daquela época, Dulcinéa nunca lançou um livro. O trabalho da poeta é referência entre os modernistas paraenses."

No dia 8 de Setembro os TataPiuns prestaram sua homenagem à Dulcinéa na XV Feira Pan-Amazônica do Livro.

Confira o vídeo da apresentação:


Conheça o blog de Dulcinéa Paraense: www.ducineaparaense.blogspot.com

Veja o fotoclip com o poema "Equação":

sábado, 3 de setembro de 2011

XV Feira Pan-Amazônica do Livro, o paraíso



O Tatamirô e o Pium filmes estão na XV Feira Pan-Amazônica do Livro que acontece no período de 02 a 11 de Setembro, em Belém-PA. O país homenageado este ano é a Itália.



Antes de existirem o Tatamirô e o Pium Filmes, a Feira já era folhinha marcada no calendário de todo ano, agora mais do que nunca. As feiras de livro são o nosso paraíso. Ficaremos um dia, pelo menos, à disposição no estande da Editora Cortez, como autores do livro Macapá, a Capital do Meio do Mundo.



Revimos a poeta e professora Lilia chaves que falará sobre a escritora  homenageada de 2011: Dulcinéa Paraense. É visível, também, o destaque ao professor Benedito Nunes (1929-2011). A Universidade Federal do Pará (UFPA) inaugurou o estande de sua editora na Feira lançando a Coleção Diálogos de Platão, edição bilíngue, cujas notas, organização e apresentação foram feitas pelo gigante da cultura, é assim que o professor “Bené” vem sendo merecidamente referendado por aqui.


Encontros previamente marcados e outros inesperados aconteceram.


O Marton e o Isaac foram uma coincidente surpresa no caminho para a palestra sobre “O Batuque” de Bruno de Menezes proferida por Paulo Nunes, porque na ida para Feira, passamos pela Casa dos Palhaços, gerenciada por Marton e pelo seu grupo Os Palhaços Trovadores. Marton era um dos recitadores da palestra, assim como o Coro Cênico da Universidade da Amazônia. 



Herbert e Juraci Siqueira cambiaram livro.




Paulo inscreveu-se na oficina de Literatura em fotoclip.



Eu (Adriana Abreu), Herbert e Andaraluna reservamos a tarde para o Ciclo de Literatura e Música no Coliseu das Artes e ouvimos a palestra “As referências literárias na música de Chico Buarque de Holanda”.




Depois, chegou a vez da poeta Alice Ruiz e seus "Três jeitos de poesia".



Foi na palestra da Alice Ruiz e Estrela Leminski que nos deparamos com a Ilma que nos apresentou o poeta Tchello d’Barros.E ainda tem mais! Oba!